quinta-feira, 26 de junho de 2014

Stephen Frears - The Queen


The Queen
Diretor: Stephen Frears
Elenco: Helen Mirren, Michael Sheen, James Cormwell...
País: Reino Unido, França e Itália.
Ano: 2006

O filme A Rainha conta a história de uma das épocas na qual os olhos do mundo estiveram voltados ao trono da Rainha Elizabeth II, e talvez a mais triste de todas: a morte da Princesa Daiana, ou Princesa do Povo como ainda é conhecida mesmo após 17 anos de sua partida. 
Elizabeth II e seu marido Filipe não conseguem entender o porque de manifestações tão calorosas e dramáticas por conta da morte de uma plebéia que nem mais fazia parte da Família Real e é nesse cenário que Tony Blair, Primeiro Ministro recém eleito da Inglaterra, decide insistentemente convencer a Rainha a entrar no luto que o povo participava, pois a mesma juntamente com sua família partira para a Escócia, a fim de gozar suas férias. 

O que mais me surpreendeu ao longo do filme foi observar os modos de se portar da Monarquia Inglesa. Há toda aquela tradição e frieza que aos olhos da Rainha não poderiam ser quebrados mesmo na situação delicada que todo o Reino estava passando. 
Além disso, a eleição de Tony Blair causou na época um certo rumor de que o Trono estava prestes a se modernizar, o que ameaçou Elizabeth II. 


Em relação a morte da Princesa Daiana, fica explicito ainda hoje o preço da fama, se posso dizer assim. Assim como diversos artistas que perdem sua vida privada por serem rodeados por fotógrafos e repórteres, Daiana pagou um preço ainda maior do que ser simplesmente atordoada - o preço da morte ocasionado após um grave acidente de carro enquanto era perseguida por vários fotógrafos após sua saída de um restaurante onde estava acompanhada. 
Há quem diga ainda hoje que a imprensa foi um dos principais culpados da morte de Daiana.

Com medo de um possível fim da Monarquia pelo início de um descontentamento do Povo, a Rainha Elizabeth II decide se manifestar publicamente e demonstrar seus sentimentos de tristeza - embora há quem julgue que as palavras da mesma não foram sinceras - em uma transmissão para a TV. Assim, depois de um tempo, os ânimos se acalmaram e vemos até hoje que a Rainha continua sendo muito querida pelo mundo todo. 

Gostei muito do filme. Recomendo a todos quantos se interessam por História e também Política, já que o fato ocasionou a discussão de uma possível queda da Monarquia e acensão da República no Reino Unido. O que ainda não aconteceu. 



Tiago Vieira.

sábado, 21 de junho de 2014

Nick Vujicic - Indomável






Indomável
Editora: Novo Conceito
Nº de Páginas: 239 
1ª Impressão: 2013

Andando pelas diversas estantes da Livraria Cultura, um livro me chamou atenção pela capa um tanto que curiosa. Quando peguei o livro fiquei observando a fotografia de um homem sorridente surfando na praia como se estivesse no dia mais feliz de sua vida. E você pode me perguntar: o que há de curioso nisso? O homem não tinha braços nem pernas! Li então as duas perguntas escritas também na capa:

"Você já se perguntou: por que comigo?"
"Este livro o fará perguntar: e por que não comigo?"


Então algo me atraiu fazendo-me sentar em um pufe e começar a ler o livro. Logo nas primeiras páginas conheci um pouco do autor, o jovem Nick Vujicic, americano, evangelista e cheio de testemunho para contar, pois fiquei sabendo que o livro que eu lia se tratava do segundo da vida do autor. Mesmo sabendo que era o segundo não me importei, pois não se tratam de livros precisamente continuativos.
Então comprei. 

A primeira situação que Nick conta em seu livro é sobre a sua "aventura" ao saber que seu visto havia sido suspenso por conta de uma "investigação de segurança nacional". Isso mesmo. As autoridades estavam desconfiadas dele por viajar muito e por vários países do mundo. 
A partir dessa situação uma jornada sobre fé e oração é apresentada aos leitores. Nick conta um pouco sobre sua vida e o agir de Deus sobre ele fazendo de uma pessoa aparentemente incapaz, alguém que leva uma mensagem de esperança para milhares de pessoas em palestras, pregações e viagens missionárias ao redor do mundo. 

Indomável não se trata de um livro religioso como alguns podem pensar. Não. A mensagem passada nas páginas do livro é sobre esperança e fé em um Deus que não se prende a barreiras da religião. Em um Deus grande sem o rótolo de religião a, b, ou c. 
Sendo assim não tenha o preconceito ou até receio de ser afrontado com acusações de que sua religião é certa ou errada, pois o autor não fala nada sobre isso no livro; a única pessoa que ele prega é Deus e Jesus Cristo.

O livro é divido em 10 capítulos sendo estes separados por tópicos. Aí está a única coisa que me desagradou durante a leitura, pois capítulos muito longos não estimulam muito o leitor a terminá-los de uma vez só, pelo menos a mim não.
Sendo assim ficou complicado eu avançar na leitura, pois estudo. Hora lia uma página, hora deixava de ler em um dia por causa do tempo. Fiquei desanimado em alguns momentos, mas havia outros que começava a ler um de seus testemunhos e não conseguia parar por sua abordagem inteligente e estimulante.

O enredo de Indomável também não se trata única e exclusivamente sobre a vida do Nick. Muitas vezes o autor compartilha histórias que são mandadas para seu e-mail de pessoas que passaram por problemas, mas que através da mensagem de esperança e fé superaram os obstáculos, e também de outras que ele conheceu pessoalmente.
Também há os momentos em que conhecemos a infância do autor. Só pra você ter uma ideia, há um capítulo que, se não inteiro, quase, Nick fala sobre as diversas formas de bullying existentes e como ele enfrentou isso na sua época de escola.

Ao término da leitura e enquanto escrevo essa resenha, tomo a consciência de que o autor não ganha ao comprarmos o livro, mas sim nós os leitores. Somos abençoados por um testemunho fiel e uma história estimulante para fazermos a diferença neste mundo.
E para aqueles que têm todos os membros do corpo e se dizem incapazes de fazer as coisas, um puxão de orelha através da história de alguém que aparentemente seria incapaz.

                                                       Quote:

"Não me arrependo de me abrir e expor minha fé. Seja qual for o propósito a que você pretende servir, você deveria fazer o mesmo. Quando você põe sua fé em prática, descobre a vida a qual você foi criado." (P.32)


Tiago Vieira.