sábado, 15 de junho de 2013

Rick Riordan - O Ladrão de Raios



Sobre: E se os deuses do Olimpo tivessem vivos em pleno século XXI? E se eles ainda se apaixonassem por mortais e tivessem filhos que pudessem se tornar heróis? Segundo a lenda da Antiguidade, a maior parte deles, marcados pelo destino, dificilmente passa da adolescência. Poucos conseguem descobrir sua identidade.



Opinião: Percy Jackson é um menino de 12 anos que tem dislexia, desvio déficit de atenção, dentre outros problemas. Isso o caracteriza como um típico pré-adolescente problemático - daqueles de poucos amigos. 
Em O Ladrão de Raios, muitas coisas esquisitas começam a acontecer com o menino, e logo depois ele descobre que aqueles deuses gregos que tanto lia em livros escolares, parecem estar bem perto dele. Em seu mundo.

Depois de mais de um ano desde a primeira vez em que peguei esse livro emprestado na biblioteca da escola e não consegui sair do primeiro capítulo porque meu interesse estava em outros livros que surgiram na minha frente, dei mais uma chance à série do Percy Jackson e Os Olimpianos. Comprei o livro por R$ 19.90 na Nobel - 20 na verdade, porque o caixa da loja não tinha 10 centavos para me dar de troco - e comecei a ler. Não me arrependi.

O Ladrão de Raios traz uma missão a ser realizada por Percy, Annabeth e Grover. Esses três amigos saem do Acampamento Meio Sangue - um lugar para semideuses - e partem para Los Angeles a fim de resgatar o  raio-mestre de Zeus, que foi furtado no solstício de inverno. Agora, eles tem 10 dias para resgatar esse poderoso elemento, descobrir quem é o Ladrão e impedir que uma Terceira Guerra Mundial aconteça.

A série de Percy e seus amigos é infanto-juvenil; narrado para crianças e adolescentes, Rick Riordan escreveu uma aventura suave e divertida que não perdeu - pelo menos em O Ladrão de Raios - o ritmo em nenhum momento sequer. Cada parte da história é seguida de eletrizantes aventuras e batalhas.

Confesso que só fiquei irritado com a capacidade de Percy, Annabeth e Grover se meterem em confusões. Os três conseguiram ser enganados diversas vezes e mesmo assim não aprenderam e caíam em mais armadilhas. Como pode? Faltou cuidado dos personagens, mas entendo que foi preciso.

Gostei bastante da leitura, e vou aguardar a oportunidade de ler O Mar de Monstros, que é a sequencia da série. Recomendo para quem quer passar o tempo com uma história divertida e que até passa umas aulas básicas de mitologia grega.


Tiago Vieira.   

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Há 84 anos nascia Anne Frank

Anne Frank nasceu em 12 de Junho de 1929, há exatos 84 anos. Ela viveu apenas 15 anos.
Olhando assim agente pensa que foram pouquíssimos anos - de fato foram -, mas foram 15 anos muito bem vividos e a jovem judia que durante a guerra escondeu-se com sua família e amigos em um anexo secreto em Amsterdam, conseguiu deixar marcas por todo o mundo; e isso poucos conseguem fazer em tão pouco tempo de vida.


Conheci a história dessa jovem garota em 2011, quando assisti à um filme sobre sua vida no Anexo Secreto.  Este era mais recente. Depois assisti à primeira versão, lançada em 1959. Gostei de ambos os filmes.

Mais tarde fui pesquisar mais sobre e, encantado com a vida de Anne, ganhei o livro de Fransine Prose intitulado ANNE FRANK - A HISTORIA DO DIÁRIO QUE COMOVEU O MUNDO. Nesse livro a autora conta sobre a vida, a obra e o legado de Anne. 

Foto:Tiago Vieira


Atualmente estou lendo o diário em si. Acho que vou demorar um pouco para terminar, pois estou lendo a versão em inglês que meu irmão comprou quando foi visitar o Anexo Secreto em Amsterdam. 

Mais para frente vou fazer um post especial sobre Anne Frank. Agora estou sem tempo e já está tarde para montar algo mais elaborado.

É isso. Um registro de um dia para se lembrar de uma jovem garota que marcou a história do mundo.


Tiago Vieira.

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Mark Levin - Little Manhattan


ABC do Amor
Elenco: Josh Hutcherson, Charlie Ray, Bradley Withford, Cynthia Nixon...
Diretor: Mark Levin
Ano: 2005
Estúdio: 20th Century Fox
Gênero: Comédia Romântica


Sobre: Gabe Burton é um menino de dez anos e meio que se apaixona por uma menina chamada Rosemary Telesco, que estuda com ele desde que eram pequenos. Quando menores os dois eram amigos, mas com o passar do tempo se distanciaram voltando a se falar somente agora. Gabe percebe que está apaixonado, e fica atordoado ao saber que Rosemary pode deixá-lo para sempre.

Opinião: Quantas vezes eu já vi esse filme? Talvez umas oito, eu sei lá. Mas quantas vezes eu vi esse filme e me diverti tanto viajando pela história de um menino que tem seu primeiro amor em uma cidade fascinante como Manhattan/Nova Iorque? Uma vez, que foi essa.

Little Manhattan é um filme inteligente e suave perfeito para as tardes de greve escolar - é o que eu tenho passado - e que conta de forma divertida a vida de Gabe, um menino de 10 anos e meio que se apaixona por sua colega de karatê Rosemary, que tem 11. 

O filme inteiro é narrado pelo próprio Gabe. A princípio ele conta a verdadeira história de amor que ele até então conhecia: a de seus pais. Os dois se conheceram em um acampamento ou algo do tipo, e foi amor a primeira vista. O casal era muito feliz, mas passado os anos as coisas não continuaram assim. 
Seus pais ainda moram sobre o mesmo teto, mas ambos estaam em processo de divórcio, fazendo do ambiente familiar do menino, um saco. 

Se antes Gabe odiava as meninas e vivia longe delas com medo de pegar piolhos, agora ele se transforma em um homenzinho totalmente simpático e sonhador de que aquela seria a mulher de sua vida.   

Gostei muito dos atores do filme, e principalmente de cada cena em Manhattan. Percebi que o diretor fez questão de incrementar a história de Gabe com esses cenários incríveis dessa grande cidade. Isso me passou uma boa sensação, e aproveitei ainda mais o filme.

Como um bom filme de comédia romântica, teve muitas partes que eu ri. Depois da primeira fala engraçada que eu ouvi, peguei um caderno e anotei mais duas para colocar aqui. 
Bem, Little Manhattan é um ótimo filme e recomendo pra quem quer dar umas risadas e se descontrair com uma história como essa.

                                                             Quotes 


  "Poxa, é mais fácil agendar uma conversa entre Árabes e Judeus do que sair com essa garota." (Gabe)

  "Existe coisa mais torturante do que sua namorada e o namorado de sua mãe ficarem calados um de frente pro outro sem ter nada pra dizer?" (Gabe)

  "...Olha eu vou te dizer uma coisa, meu amigo: eu já tive uma namorada e ela despedaçou o meu coração. Quer um conselho? Fuja! ... Fuja!" (Mendigo do Brooklyn.)




Tiago Vieira.



sábado, 1 de junho de 2013

Andrew Adamson - The Chronicles of Narnia: Prince Caspian


Imagem: Google Imagens/Reprodução


As Crônicas de Nárnia: Príncipe Caspian
Elenco: William Moseley, Georgie Henley, Skandar Keynes, Anna Popplewell e Ben Barner.
Gênero: Aventura.
Duração: 150 min aproximadamente.
Ano: 2008


Sobre: Um ano se passou para os irmãos  Pevensie desde a primeira aventura narrada no filme O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa; mas em Nárnia 1300 anos se passaram e tudo mudou. A terra foi devastada pelo reino de Telmar, causando a quase total extinção dos narnianos.
Após Príncipe Caspian fugir da tentativa de seu tio Miraz de matá-lo, o jovem chama os Reis e Rainha de Nárnia através da trompa mágica de Susana para uma nova missão que decidirá o futuro de toda a terra de Nárnia.

Opinião: O segundo filme da série cinematográfica As Crônicas de Nárnia é mais ativo e real. Há mais ação e um conflito bem elaborado que me fez lembrar as antigas histórias de guerras entre reinos. 
Nessa nova aventura, os quatro irmãos Pevensie entram na missão de ajudar o Príncipe Caspian a recuperar o lugar que é de direito dele, e ao mesmo tempo recuperar os direitos do povo de Nárnia, que foi por anos devastada pelos Telmarinos.

O filme é muito bem filmado, os atores estão mais maduros e a trama favoreceu um clima mais adulto para a série. As cenas de batalha são perfeitas e eletrizantes, mas há um pequeno problema em Príncipe Caspian: a duração do filme. São quase duas horas e meia de filme - isso porque estou descontando os créditos. Isso foi um pouco prejudicial até mesmo para telespectadores como eu, que gostam da série. 

Imagem:Google Imagens/Reprodução

No final do longa também há todo o clima de despedida de Pedro e Suzana, que não voltarão mais à Nárnia, pois já estão crescidos. Ambos demonstram-se fortes nesse segundo filme, e é nítido o crescimento deles na trama ao defenderem Nárnia. Pedro foi um bom comandante nas batalhas, e Suzana ótima no Arco e Flecha.

A mensagem não foi tão explícita como no primeiro e terceiro filmes, mas deu pra ver que Aslam esperava que eles lutassem e acreditassem que ele estava lá para ajudá-los. Mais uma vez só Lúcia conseguiu ver isto de cara, enquanto os outros tiveram que sofrer para perceber.

As Crônicas de Nárnia Príncipe Caspian é de todo um bom filme. Tirando alguns pontos, o diretor conseguiu acertar aquilo que ele veio mostrar: uma Nárnia maior do que nunca.
A pena é que esse filme é o último produzido pela Disney, tendo A Viagem do Peregrino da Alvorada sendo produzido pela FOX.
Aí está uma série cinematográfica digna de ter todos os seus livros adaptados, mas por conta de altos e baixos na bilheteria, não está sendo possível ver os personagens de C.S.Lewis todos os anos na telona.



Tiago Vieira.