segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Oscar 2013

Foi legal. Assisti à uma boa parte. A pena é que tive que ver pela Globo, e como ela tem a prioridade de passar toda a programação antes de mostrar algo de diferente e interessante, perdi os primeiros prêmios. Mas depois foram mostrados.

Google Imagens/Reprodução

Não sou nem de longe um perito em cinema, mas sempre gostei de assistir ao Oscar, de ver alguns filmes... E de torcer pelos meus favoritos mesmo sem talvez eu ter tido a oportunidade de ver o filme rs.

Fiquei feliz com o resultado de Melhor Curta-metragem de Animação para o Paperman! Eu tive a oportunidade de assisti-lo antes de começar o filme Detona Ralph, que por sua vez não ganhou o Oscar de Melhor Animação.

Fiquei muito feliz pela vitória da Anne Hathaway! Ela atuou no filme Os Miseráveis e fez o que muitos não fazem: cantou ao vivo nas gravações dos filme!, e demonstrou emoção e profissionalismo. Foi tão legal o número musical que o elenco apresentou!

                                    
                                                                                 (Foto: Robyn Beck/ AFP)







              (Foto: Kevin Winter/Getty Images/AFP)
A Adele foi outro grande ponto positivo para mim. Um dos motivos pelo qual eu fiz questão de ficar até tarde na frente da TV, foi para vê-la cantando Skyfall. Percebi que ela estava um pouco nervosa, mas mesmo assim se saiu muito bem na apresentação. Agora hoje fiquei sabendo que ela ganhou o Oscar de Melhor Canção Original! Muito merecido. 


                     (Foto: AFP PHOTO/Robyn Beck)
Amour ter ganhado o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro me deixou muito feliz também. Mesmo sem ter visto o filme, só de assistir aos trailers e ler à sinopse e escutar as críticas positivas, fiquei torcendo por ele. 

A única coisa que eu não concordei foi de terem dado o Oscar de Melhor Atriz para a Jennifer Lawrence. Acho que quem merecia ter ganho foi a atriz de Amour (Emmanuelle Riva). Mas, fazer o que? Até a própria ganhadora ficou surpresa! Tanto que se atrapalhou e tropeçou no próprio vestido. 

Bem, foi muito bom. Espero esse ano ter a oportunidade de assistir a mais filmes no cinema :-).

Tiago Vieira.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

O Transporte Ferroviário no Brasil - História - parte 1

Dizem que uma imagem vale mais do que mil palavras. Estava pensando em registrar a história  do trem em forma de texto, porém, vasculhando a internet encontrei uma reportagem do Globo Repórter em parceira com a EPTV, onde é contada a história dos trens! Essa reportagem foi ao ar no dia 06 de abril de 2012.




Tiago Vieira.

sábado, 16 de fevereiro de 2013

C.S.Lewis - O Sobrinho do Mago

Já faz um tempinho que eu li esse livro e publiquei no meu outro blog. Mas aproveitando o embalo do filme A Viagem do Peregrino da Alvorada que assisti nessa semana, decidi expor minha opinião aqui.



Título - O Sobrinho do Mago
Título Original - The Magician's Nephew
Autor - C.S. Lewis
Editora do Brasil - WWF Martins Fontes

Mesmo não tendo sido o primeiro livro a ser publicado por C.S. Lewis, O Sobrinho do Mago narra os acontecimentos anteriores à famosa história de O Leão, A Feiticeira, E O Guarda Roupa. Assim, é sugerido lê-lo primeiro.
O Sobrinho do Mago tem como personagens principais Polly e Digory; que são duas crianças vizinhas que acabam servindo de cobaias pelo Tio André (tio de Digory) para experimentarem os anéis mágicos feitos por ele, que levam a um novo mundo até então desconhecido por nós. 
Polly vai primeiramente sozinha, e Digory vai atrás para achá-la. Os dois acabam chegando no Bosque Entre Dois Mundos, que é um lugar calmo e sem sinal de habitação. Neste Bosque, há diversos lagos, e Polly e Digory entram com os anéis mágicos em um outro lago para ver onde dá. 
As crianças acabam chegando ao mundo de Charn e entram em um castelo monótomo e sombrio. Eles entram em uma sala onde há pessoas muito bem vestidas (como reis e rainhas), sendo que eram estátuas. Digory lê uma placa que o incita a bater com um martelo em um sino para ver o que acontecerá:

                                            "Ousado aventureiro, decida de uma vez: 
                                               Faça o sino vibrar e aguarde o perigo.
                                             Ou acabe louco de tanto pensar:
                                          'Se eu tivesse tocado, o que teria acontecido

Digory bate no sino antes que Polly conseguisse impedi-lo. Então tudo acontece. A princesa Jadis, ou Feiticeira Branca, é libertada do sono e começa a falar com as crianças às interrogando sobre de que mundo elas eram e etc.
Até que Jadis os obriga a levá-la até o mundo deles e as crianças não têm escolhas a não ser de levá-la até Londres (lugar onde moram). 
Em Londres, Jadis conhece o maluco do tio André, e faz dele seu escravo. Aconteceu de que o pobre do tio André teve que gastar todo o seu dinheiro para levar Jadis aos lugares mais chiques da cidade.
A Feiticeira Branca acaba com tudo na cidade. A polícia é chamada mas não consegue contê-la. Por sorte, Polly e Digory conseguem voltar para O Bosque Entre Dois Mundos através dos anéis, sendo que desta vez levam junto, além da Feiticeira tio André, o cocheiro e seu cavalo Morango.
Ao chegar lá, tudo estava em escuridão. Todos se perguntam se aquele lugar é realmente o Bosque, ou é Charn, ou é outro lugar. 
Até que o evento mais aguardado no livro acontece: um som inexplicável que mais parece um canto, começa a ressoar pelo lugar.

          "No escuro, finalmente, alguma coisa começava a acontecer. Uma voz cantava. Muito longe. Nem mesmo era possível precisar a direção de onde vinha. Parecia vir de todas as direções, e Digory chegou a pensar que vinha do fundo da terra. Certas notas pareciam a voz da própria terra.


Essa voz era do Leão, Aslam, que fez com que a luz começasse a surgir juntamente com todas as coisas maravilhosas que habitam em Nárnia. Seres viventes, árvores com seus frutos, estrelas, montanhas, e etc.

Até mesmo os animais começaram a falar, mas tio André não entendia nem mesmo o que Aslam falava. E isso teve uma explicação:

         "Mas não posso dizer isso a este velho  pecador, como também não posso consolá-lo; ele  mesmo se colocou fora do alcance da minha voz. Se eu lhe falasse, ouviria apenas rosnados e rugidos.


A Feiticeira Branca fugiu e foi encontrada após alguns acontecimentos: Digory queria pedir a Aslam algo que curasse sua mãe que estava muito doente em Londres, mas não o fez. Antes, Aslam o pediu para ir além das montanhas e pegar uma maçã que estava no centro de um lugar separado. Essa maçã traria o equilíbrio à Nárnia. Digory aceitou a missão e foi até o lugar, de carona do cavalo Morango (que agora voava) e Polly. 

Lá, ele chegou a ser tentado pela Feiticeira Branca que lhe dizia que se ele comece a maçã teria a eterna juventude, mas o menino preferiu ser fiel e ignorou Jadis, que foge para o norte. 
O fim do livro é simples: Digory, Polly e tio André voltam para Londres. O cocheiro vira rei de Nárnia, juntamente com sua esposa Helena, que é chamada por Aslam e acaba chegando lá. 
Digory ganhou de Aslam uma maçã que traria a cura à sua mãe, e assim acontece. 
Pensando que pudesse produzir mais daquela maçã, Digory planta a semente dela na terra, e uma árvore acaba nascendo, sendo que o fruto não tinha poder. 
Até que um dia, uma grande tempestade assola Londres e a árvore é arrancada. Digory, já aos quarenta e poucos anos, decide montar um guarda roupa com a madeira da árvore, e assim o leva junto de si para sua mansão no campo onde morava, sendo um professor (aquele de O Leão, A Feiticeira e O Guarda Roupa, lembra? O professor Kirke).
Esse guarda roupa cuja madeira é de Nárnia, tem o poder de transportar crianças do nosso mundo, à Nárnia através da magia :-)
Final perfeito e bem explicádo.



Opinião: C.S. Lewis ter decidido escrever esse livro para explicar coisas que não ficaram claras em O Leão, A Feiticeira, E O Guarda Roupa foi a melhor decisão que ele poderia ter tomado rs. Mas é sério. Esse livro é ótimo e épico. Um dos melhores infanto juvenil de todos os tempos. 

Nota 10!

  

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

O Transporte Ferroviário no Brasil - Introdução

Pensando em como o país vem evoluindo por conta dos grandes eventos que o mesmo vai sediar, decidi falar um pouco sobre o transporte ferroviário no Brasil. Com base em reportagens que li, e algumas que ainda estou lendo, e com minha opinião sobre, vou tentar registrar aqui um pouco da história, característica e problemas do trem brasileiro.


Imagem: Google/Reprodução

Aqui no Rio de Janeiro muitos trabalhadores e estudantes usam o trem como meio de transporte. Isso por conta da sua velocidade, que se comparada aos ônibus, é maior. Mas há os pontos negativos, como a super lotação e a infraestrutura precária.

Mas como melhorar o sistema ferroviário do Brasil? E o do Rio de Janeiro particularmente? O que o governo anda planejando para a melhoria deste sistema?

O que os passageiros que necessitam todos os dias do trem pensam e passam lá dentro? 
Quais foram os fatos marcantes ocorridos no sistema ferroviário nos últimos anos? Quais foram os avanços? 

São alguns pontos que tentarei expor aqui.

Tiago Vieira.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Michael Apted - The Cronicles of Nárnia: The Voyage of the Dawn Treader

Como começar? 
C.S.Lewis foi muito inteligente ao criar essa obra composta de 7 livros que trás mensagens valiosas para a linguagem das crianças, mas que consegue alcançar os corações dos mais velhos. Porém, não vou comentar sobre os livros, mas sim sobre o terceiro filme lançado no ano de 2010. 

                                           


As Crônicas de Nárnia: A Viagem do Peregrino da Alvorada
Gênero: Aventura
Diretor: Michael Apted
Ano: 2010
Distribuidora: Fox

Sinopse: Lúcia (Georgie Henley), Edmundo (Skandr Keynes) e Eustáquio (Will Poulter) retornam para Nárnia onde se encontram com príncipe Caspian (Ben Barnes), agora rei, e outros amigos de aventuras passadas. Para encontrar os Sete Fidalgos Desaparecidos de Telmar, ele começam uma nova aventura a bordo do navio Peregrino da Alvorada, onde irão encarar guerreiros, dragões, anões e tritões. Mais uma vez, os jovens colocarão sua coragem e convicções à prova, antes que consigam chegar no limite do mundo.



OPINIÃO: A Viagem do Peregrino da Alvorada já começou a ser produzido com muito escândalo. Escândalo quando foi dada  a notícia de que ele não seria produzido pela Disney, mas sim pela FOX. Acredito que muitos devem ter duvidado que a nova empresa teria a capacidade de fazer algo no tamanho dos títulos anteriores, produzidos pela Disney. 

Mas o filme foi ao cinema, e comoveu a muitos. Para os críticos não foi um ótimo filme, mas para aqueles que admiram a obra original (os livros) e gostaram dos dois primeiros filmes, A Viagem do Peregrino da Alvorada foi um excelente fim da história da vida dos irmão Lúcia, Edmundo, Suzana e Pedro. 
Nesse terceiro filme, apenas Lúcia e Edmundo vão para Nárnia. Isso porque Pedro e Suzana não podem mais entrar lá, pois já cresceram. Então, os dois irmãos mais novos vão para Nárnia através de um quadro que está no quarto deles, que fica na casa de seu chato e emburrado primo Eustáquio. Acaba que os três embarcam nesse quadro, e chegam nos mares de Nárnia. 
Logo quando chegam, são recebidos pelo Rei Caspian. Há uma alegria vista nos olhos de Lúcia e Edmundo, pois eles amam estar em Nárnia. Já Eustáquio... Ele detestou estar lá. Esperneou como uma criancinha.
O desafio que deve ser vencido nesse filme, na minha opinião foi o mais difícil. Todos tinham que achar os sete fidalgos. Ou seja, existe sete lordes que carregam consigo  cada um uma espada. E cada espada está espalhada em ilhas misteriosas e perigosas. As sete espadas postas juntos sobre a Mesa de Aslam, trará o equilíbrio de volta à Nárnia. 
O problema é que cada um irá passar por tentações. Na ilha eles são provados e tentados por suas fraquezas. Por exemplo: Lúcia tem a fraqueza de querer ser bonita como à irmã Suzana e acaba quase caindo nisso. Já Edmundo quer ser poderoso e maior que todos. 
Cada um amadureceu e venceu as fraquezas. Eustáquio amadureceu também, e foi transformado após ter virado dragão. Conseguiu vencer os medos, e enxergou o verdadeiro significado de Nárnia. 

                                        

O filme foi ótimo. Em um tempo bom, o diretor conseguiu passar o que ele queria sem exageros e com uma simplicidade admirável. 
Como é um filme para a família, fiquei satisfeito em ver que havia bastante cenas claras. Minha mãe reclama dos filmes escuros, e esse, mesmo até nas cenas noturnas, foi muito bom visualmente. 
Mesmo não sendo perito em efeitos visuais, digo que gostei de todos. 
As cenas de ação foram ótimas. 
Percebi que o ator que interpreta o Rei Caspian amadureceu muito nesse terceiro filme. Estava mais firme e conseguiu interpretar bem o papel de um líder. Aliás, ele tem uma semelhança física com um ator brasileiro, o Rodrigo Santoro. 
Fiquei muito feliz quando vi que os roteiristas não deixaram de fora a Suzana e o Pedro. Ambos fizeram rápidas aparições no filme, e foi muito bom revê-los. 



E assim termina essa faze linda de As Crônicas de Nárnia. Foi bom ver os irmãos Pevensie crescerem do primeiro filme para o terceiro. Foi bom acompanhar a história de Nárnia e captar a mensagem que C.S.Lewis quis passar ao criar esses livros. 

Ainda há quatro livros que não foram adaptados. Dizem que o próximo será O Sobrinho do Mago, que trata da criação de Nárnia. Eu já li esse livro, e acho que ficará um ótimo filme. Ficarei na torcida pelo lançamento do mesmo. 


                                           



É isso.

Tiago Vieira.

11 de Fevereiro de 2013

Hoje é um dia muito especial e importante para minha vida. Hoje, dia 11 de fevereiro de 2013 completo 16 anos de vida. Sou grato à Deus acima de tudo, e quero sempre continuar nos Seus caminhos. 
Sou grato aos meus pais, à minha mãe que me cria com muito amor e à todos os meus irmãos.  

Tiago Vieira

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Curiosidade: Série As Crônicas de Nárnia da BBC

Ontem eu estava pesquisando algumas coisas sobre As Crônicas de Nárnia e vi que antes de lançar os filmes mais recentes - produzidos pela Walden Media junto com a Disney, e depois com a Fox -, havia sido produzido um longa de animação em 1979, e uma série de TV produzida pela BBC que foi ao ar a partir de 13 de novembro de 1988 à 23 de dezembro de 1990.  É sobre a série da BBC que vou me reter nessa matéria.


Bem, durante dois anos a BBC exibiu a série As Crônicas de Nárnia. Li na internet que essa série foi baseada não somente no livro O Leão, a Feiticeira e O Guarda Roupa, mas em mais três livros do C.S.Lewis: Príncipe Caspian, A Viagem do peregrino da Alvorada e A Cadeira de Prata.  



Ainda ontem eu estava assistindo a primeira parte do primeiro episódio da série, comparando com a primeira parte do filme de 2005, produzido pela Disney juntamente com a Walden Media. 

A surpresa foi grande. Abri duas janelas do Google Chrome, para assistir aos dois vídeos simultaneamente. Tirando a parte em que o filme da Disney mostra aviões de guerra e os irmãos Lúcia, Edmundo, Suzana e Pedro se protegendo do bombardeio, ambas produções tem - pelo menos o início - muitíssimas semelhanças de enredo e roteiro. Teve algumas cenas que foram exatamente iguais, como a parte em que os irmãos soltam do trem e são recebidos pela... Governanta da casa do professor Kirke.  


Para ilustrar essa pequena curiosidade, vou colocar aqui os vídeos que assisti ontem. Ambos estão no áudio original (inglês) e sem legenda. Infelizmente ainda não aprendi como aumenta a janela do vídeo na postagem, porém basta maximizar e ver em tela ampla no seu computador.  


                                                              
                                                            1988



2005            


É isso :-)
Tiago Vieira

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Planos #1

Alguns dias mais de folga até as aulas voltarem. E quando voltarem, bem sei que tenho que pegar mais pesado nos estudos e me garantir nos dois primeiros trimestres para não passar de novo por um pequeno sufoco de fim de ano: provas finais. Mas pegar mais pesado nos estudos não significa parar de fazer aquilo que eu gosto; como ler e assistir a filmes, por exemplo. 
Nesses dias nos quais o país quase que inteiro está pulando carnaval, eu prefiro (isso desde que me entendo por gente) ficar em casa, descansar, buscar mais a Deus, ficar em comunhão com a família e fazer coisas bem divertidas sem sair de casa. 

Pretendo terminar de ler O Menino do Pijama Listrado e fazer minha pequena e simples opinião para deixar registrado, assistir As Crônicas de Nárnia: A Viagem do Peregrino da Alvorada (que ganhei adiantado como presente de aniversário), pesquisar um pouco sobre a história das ferrovias e fazer uma matéria especial aqui, e outras coisas mais.
Como é meu irmão que faz os dowloads do Once Upon a Time, e ele está viajando, vou ter que esperar ele voltar e baixar o episódio 13 que vai lançar nesse domingo. 

É isso. 
Tiago Vieira.





quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Once Upon a Time 2x12 - In the Name of the Brother

Um episódio importante que me deu a esperança de uma melhora expressiva na série.





O episódio 12 de OUaT começou do ponto que terminou o  seu antecessor, com a chegada de um forasteiro (se é que posso chamá-lo assim) à Storybrook. Confesso que esperava que o motorista que estava dentro do carro, fosse o pai do Henry, ex da Emma; mas não era não. Somente um cara normal que foi levado ao Hospital junto com a desmemoriada Bela, e com o ferido Capitão Gancho.

No Hospital, todos estavam desesperados à procura do Doutor Wahle, que por sua vez estava um pouco bêbado em seu consultório com cara de indiferença aos chamados no microfone.
Na linha do tempo do passado, o episódio dá continuação à história do Frankstain, que é o Doutor Wahle. O conflito se dá quando o pai do Frankstain proíbe o filho de praticar suas ciências, e o mesmo decide fechar seu laboratório, até que tem um encontro com o Rumpelstiltskin, que o pede para ensiná-lo seus dons de ciência. Então o doutor decide não fechar seu laboratório. Acontece muitas coisas, como a morte do irmão do Frankstain. Daí, o doutor tenta ressuscita-lo, a fim de provar ao pai que ele tem capacidade de trazer alguém de volta a vida e exercer sua ciência. Ele até consegue, mas as coisas não acontecem do jeito que ele imaginava que seria.





Depois que Rubi convence o Doutor Wahle de operar o cara misterioso que chegou a Storybrook, tudo parece dar certo. Emma vai até o quarto dele se certificar de que ele não viu Mr.Gold usando magia no momento do acidente, fazendo a típica primeira pergunta que um xerife faz: "o que exatamente você viu?". O homem afirma que não viu nada de estranho, pois estava postando imagens em seu celular (essa é uma das causas de muitos acidentes de trânsito). Emma se tranquiliza, pensando que ele não viu realmente nada. 

Regina se reencontra com a mãe e começa a cair no que eu acho ser mais uma armação de Cora.

O fato que renovou minhas esperanças a respeito da série, foi a cobrança que Mr.Gold fez à Emma. Acontece que na primeira temporada, Emma precisou de uma ajuda do Mr.Gold, e assim ela ficou devendo um favor à ele. Somente agora, depois de muitos acontecimentos, que o Mr.Gold foi cobrá-la. 

E assim terminou o capítulo 12 da segunda temporada de OUaT. 


Promo do Episódio 13



Tiago Vieira.

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Once Upon a Time 2x11 - The Outsider

A segunda temporada de OUaT começou muito bem. Mas com um desafio: responder à questões que ficaram  em abertas no término da primeira temporada. Mas novas perguntas estão surgindo, e as respostas parecem nunca chegar, o que me preocupa, pois se assinarem uma terceira temporada - embora eu ficasse muito feliz com isso -, acho que a série perderá sua essência, e muitos telespectadores vão parar de assistir.


  
O episódio 11 de OUaT começou não prometendo grandes reviravoltas. Fomos novamente apresentados a uma outra parte da história de Bela, no mundo encantado, onde ela tinha que derrotar uma fera chamada Yaoguai, que estava aterrorizando parte do reino. Na busca de derrotar essa fera, Bela encontra Mulan, que também quer derrotar a fera. Mulan sofre um pequeno corte na perna e decide mandar Bela para a batalha.  E Bela acaba descobrindo que a Fera era o principe Philipe. Chato.
Em Storybrook, acompanhamos os conflitos de Mr.Gold. Ele quer sair da cidade para procurar seu filho Baelfire. Mas sair da cidade significa perder sua memória, e é claro que ele não queria isso. Aí ficamos sabendo que ainda existe um feitiço que Mr.Gold guardava... Ao aplicar esse feitiço em um objeto de muito valor sentimental, ele pode sair da cidade sem perder a memória! 
O que atrapalhou tudo foi o capitão Gancho, que está em Storybrook para se vingar do crocodilho (Mr.Gold). Acaba que no final do espisódeio uma desgraça acontece e os planos do Mr Gold e de todos são mudados com a chegada de um forasteiro.

Bem, espero melhoras para o episódio 12.   
Tiago Vieia.